Veja benefícios do pé-direito duplo, que cria amplitude

O pé-direito duplo é comumente usado em ambientes sociais, como salas de estar e jantar. Foto: Tammaro Arquitetura/Divulgação

O pé-direito é a medida entre o chão e o teto de uma construção. O normal é que ela seja de 2,70 metros, mas há a possibilidade de ter o dobro desse tamanho. Nesse caso, fala-se em pé-direito duplo, que, além dos ganhos estéticos, implica outros benefícios.

O mais interessante é que é possível dobrar a medida da distância entre o piso e o teto. Fabiane Bello, no entanto, lembra que isso demanda uma reforma grande, e que é preciso fazer uma avaliação da estrutura da construção.

Sueli Nonaka, por sua vez, afirma que, “na arquitetura, tudo tem jeito, desde que seja possível eliminar um ambiente”. Ainda assim, o tamanho total do imóvel pode ser um limitador para esse tipo de intervenção, pois, como ela diz, “com o pé-direito duplo, o pavimento superior deixa de ser ocupado, diminuindo a metragem construída”.

Amplitude de duplex
Ou seja, neste caso, eliminar um ambiente significa claramente ter uma casa ou um apartamento com dois pavimentos. “Não existe vantagem em termos de construção, mas fica mais charmoso e dá uma ideia de amplitude”, afirma a arquiteta Fabiane Bello sobre o pé-direito duplo. Seria, portanto, o oposto da sensação de achatamento de uma altura normal. A também arquiteta Sueli Nonaka lembra que a distância em dobro entre chão e teto também deixa o ambiente maior. “Os cômodos ficam separados por níveis, que podem ser deixados abertos, integrando, assim, diversas partes do imóvel”, diz ela. As partes expostas costumam ser as sociais, como salas de estar, de jantar e de televisão. Os ambientes íntimos, por sua vez, ficam mais reservados, com a altura regular.

As residências com pé-direito duplo são mais valorizadas pelo mercado, e oferecem maior entrada de ar e luz. “Para regiões quentes, quanto mais alto, melhor”, conta Sueli Nonaka. Fabiane Bello alerta, no entanto, que os ganhos em iluminação e ventilação dependem do projeto arquitetônico. “Construções em regiões quentes têm que ser voltadas para o nascente para aproveitar ao máximo o sol e o vento”, lembra Fabiane Bello. Em locais frios, o ideal é ter a fachada voltada para o poente, diminuindo a circulação de ar e o resfriamento da residência.

O eco pode ser um incômodo em ambientes com pé-direito duplo. Até mesmo em salas com altura normal, quando vazias, ocorre esse efeito. Fabiane Bello conta, no entanto, que esse é um problema fácil de corrigir. “Basta usar materiais que abafam o som, como tecidos cobrindo a parede, cortinas de pano nas janelas, forros de gesso ou outros materiais que evitem a reverberação”, diz ela.

Fonte: Terra
Anúncios