Escolha a cortina ideal e deixe sua casa mais ampla e bonita

Se você acabou de se mudar ou apenas deseja renovar um pouco a decoração da sua casa, a escolha da cortina que mais combina com o ambiente sempre gera algumas dúvidas. São tantos tipos de tecidos, cores, formas de sustentação, que acabamos nos perdendo em inúmeras opções.

As cortinas podem deixar os ambientes de sua casa muito mais agradáveis e até ampliá-los, dependendo da escolha do tipo, do comprimento e das cores. Mas para isso é necessário avaliar bem se você deseja instalá-las de parede a parede, por exemplo, ou apenas na medida da janela ou sacada, e quais as cores que proporcionam o aumento da perspectiva visual.

Tipos, cores e tecidos

Primeiramente, é preciso ter paciência e tempo para escolher com calma. Faça uma análise dos cômodos. Qual o objetivo de colocar a cortina em determinado ambiente? Geralmente, nas salas de estar, a cortina é bastante utilizada para complementar a decoração, criando um clima elegante e intimista.

Nos quartos o importante é que, além de decorar, a cortina amenize a iluminação de forma aconchegante. O que é muito utilizado nesse lugar da casa é o blackout. Conhecido também como corta luz, ele pode ser de PVC ou de tecido. Este é produzido em camadas sobrepostas com o tecido preto entre os de cores mais usuais, como o bege e o branco. Essa opção não bloqueia tanto a luz como o de PVC, mas tem um caimento muito mais bonito e sofisticado.

Na hora de escolher o tipo como persianas ou tecido, leve em conta o estilo da sua casa e claro, o seu bom gosto. A cortina deve ter uma tonalidade que se adeque perfeitamente com as cores da parede, do piso e até do sofá.

Outra indicação é de sempre escolher cores mais neutras, em tons terrosos, crus e pastéis. Essas mesmas cores podem vir mescladas em detalhes, por exemplo, num tecido bege com rajadinhos de marrom escuro, ou com listras verticais finas de tom ocre. Cores como verde limão e laranja vibrante devem ser evitadas, pois comprometem muito a harmonia da decoração, deixando o ambiente cansativo. Lembre-se também de que o minimalismo está na moda e quanto menos laços, babados, contas e franjas, melhor.

Confira abaixo mais algumas dicas importantes para você escolher a cortina ideal para sua casa e deixá-la linda!

  • Pisos escuros pedem cortinas com tonalidades suaves;
  • Para ter uma luminosidade agradável e aconchegante em salas ou quartos e deixá-los com o ambiente elegante, os tecidos ideais são o organdi, voal e chiffon, de tons claros;
  • Para deixar os ambientes mais sofisticados, prefira as cortinas com duas camadas: o forro que pode ser de tergal, gabardine, microfibra e outros tecidos disponíveis; e sobreponha com um tecido leve como o cetim, gaze de linho, seda ou voal;

  • Na hora de escolher a forma de pendurar a cortina, o trilho e o varão são as opções. Os varões podem ser simples, duplos ou triplos; de metal cromado, dourado ou envelhecido e de madeira. Esses são bonitos e geralmente, mais baratos e fáceis de retirar para a limpeza;
  • As cortinas franzidas gastam mais tecido para criar o volume desejado. Existem vários tipos de franzidos como as pregas americanas ou inglesas, feitas nas opções com trilhos. Quanto mais fino for o tecido mais será necessário para dar o aspecto volumoso do franzido e, consequentemente, a medida deve ser maior;
  • Como não está fácil para ninguém, é importante economizar. Se você escolheu o suporte de varão, uma opção mais em conta é fazer as alças da cortina com o próprio tecido ou com o cabeçote liso. Ficam superbonitas. Só é preciso tomar cuidado para o tecido da cortina não ser muito pesado, ou ele pode comprometer o deslizamento;
  • Excesso de luminosidade pode também prejudicar o piso e os móveis de sua casa, para isso prefira cortinas com tecidos mais encorpados no forro, como gabardine e tergal, e na sobreposição como seda e linho puro;
  • Quando for medir o tamanho das cortinas, adicione sempre de 10 a 20 cm a mais nas laterais. Nas de tecido leve, multiplique a medida total por dois ou três para dar mais volume e comprimento adequados;
  • Mesmo que você já tenha as medidas da cortina em mãos quando for a uma loja, peça para um funcionário medir novamente em sua casa para confirmá-las, pois eles sabem exatamente qual será a quantidade certa de tecido para o caimento ficar perfeito;
  • As persianas são opções práticas e modernas. Hoje, existem diversos tipos como as romanas, as rolos, horizontais ou verticais. Elas podem ser personalizadas com diversos tecidos e texturas e, alguns tipos, podem ser equipados com blackout.

VEJA MAIS:
Separe ambientes sem usar paredes
18 dicas para decorar um espaço pequeno
10 dicas para decorar uma sala de família

Fonte: UOL

Montando o seu home office

A cada dia, aumenta o número de pessoas que adotam o home office para desempenhar suas tarefas de trabalho. Antes relacionado apenas aos profissionais liberais, esse estilo de trabalhar em casa já faz parte também da vida de funcionários de empresas, que preferem abrir mão da forma presencial de seus colaboradores a fim de reduzir custos com material, energia ou transporte.

Essa mudança do local de trabalho para casa também está acontecendo devido às facilidades que a tecnologia e a internet proporcionam aos profissionais. Esse estilo de vida pode fazer ainda com que a produtividade seja muito maior, sendo que as pessoas ainda ganham a vantagem de não precisar enfrentar horas de trânsito e podem também aproveitar melhor os momentos com a família.

Além disso, hoje em dia, cada vez mais as pessoas reservam uma área específica ou um cômodo da casa para montar um escritório, que seja um local de trabalhos eventuais, com acesso à internet, equipamentos como notebook, scanner e impressora, lugar para guardar os livros, etc.

Entretanto, arranjar um lugar adequado para trabalhar em horário integral em casa nem sempre é tão fácil assim. Falta de espaço, barulho, má iluminação e desorganização são alguns dos problemas que podem ser enfrentados por quem decide desempenhar suas atividades profissionais no conforto de seu lar.

Para montar um home office ideal é necessário ter em mente quais serão as prioridades do local. Por exemplo: com que frequência você usará esse cômodo (ou área)? Será um espaço exclusivo de trabalho para você ou outras pessoas irão utilizá-lo? Que equipamentos são indispensáveis para você desempenhar as tarefas no home office? Qual o estilo de decoração você quer ter no lugar?

Com essas questões esclarecidas, fica muito mais fácil começar a colocar em prática a organização desse ambiente, que também deve ser tranquilo, bem ventilado e versátil. Confira abaixo algumas sugestões que o TodaEla preparou para você com a colaboração da arquiteta especializada em Design de InterioresAlessandra Isolani.

Espaço ideal

Nem sempre quem deseja montar um home office tem um cômodo exclusivo para essa função. Portanto, é necessário avaliar a disponibilidade de alguma área da casa que tenha um espaço satisfatório para montar uma estação de trabalho. Quem tem a vantagem de possuir um cômodo somente para o escritório pode adequar os móveis com mais facilidade ou consultar um especialista para saber qual a melhor forma de organização ou solicitação de projetos.

Já para quem tem um espaço reduzido para montar o home office, é necessário avaliar alguns fatores. De acordo com a arquiteta Alessandra Isolani, o espaço irá variar de acordo com as necessidades da atividade que será executada. “Algumas atividades necessitam apenas de uma mesa de trabalho, de um carrinho gaveteiro, um armário pequeno e uma cadeira. Um espaço de cerca de 2,5 m X 1,2 m, ou seja, aproximadamente 3 m², consegue comportar esses itens”.

A arquiteta também destacou que é importante definir primeiramente quais os objetos e equipamentos que serão imprescindíveis para atender as suas necessidades. Por exemplo: verificar se haverá impressora, se serão utilizados notebook ou desktop, se você tem muitos livros, se há a necessidade de pastas suspensas, etc.

“A partir daí, pode-se fazer a seleção dos móveis de forma específica, organizando o espaço com mesa de impressora, mesa com ou sem suporte para teclado e estante com mais espaço para livros”, disse Alessandra.

Iluminação

A iluminação pode influenciar — e muito — no desempenho de um trabalho, sendo uma questão de grande importância no planejamento do espaço. Por isso, esse fator deve ser bem avaliado e solucionado da melhor forma para o home office ser um local agradável.

“A iluminação natural é sempre bem-vinda, tanto pelo conforto visual como pela redução de gasto energético, podendo ser sua fonte de uma janela ou uma abertura zenital (feita para aproveitar a luz natural e fechada geralmente por materiais translúcidos como acrílico ou vidro)”, afirmou a arquiteta Alessandra Isolani.

É sugerido também que a iluminação geral deve ser composta por lâmpadas que produzem luz difusa, tendo ainda um foco específico sobre a área de trabalho e sendo direcionado de forma que não cause sombras ou ofuscamento na pessoa. Vale ressaltar que a tela do computador não deve ficar contra a luz vinda da abertura ou janela, pois o reflexo diminui o conforto visual.

Além disso, hoje em dia é de suma importância considerar formas mais sustentáveis de se planejar a área de trabalho. E no que tange à iluminação, existem tipos de lâmpadas mais adequadas para essa questão, como as de LED, que gastam menos energia e poluem menos o meio ambiente do que as incandescentes ou fluorescentes.

“As lâmpadas LED são mais econômicas que as tradicionais, têm maior durabilidade, aquecem muito pouco, não utilizam mercúrio e não emitem radiação ultravioleta nem infravermelho, fazendo com que o feixe luminoso seja frio”, conta a arquiteta.

Móveis e acessórios

Na hora de escolher os móveis, é preciso levar em conta o conforto e a ergonomia das peças em que você passará várias horas trabalhando. Mesas, cadeiras e gaveteiros devem ter altura e tamanho adequados também para a maior funcionalidade do espaço.

Segundo a arquiteta Alessandra Isolani, os móveis ergonômicos são indispensáveis e devem estar de acordo com a estatura do usuário. “A altura da mesa de trabalho geralmente tem entre 73 e 75 cm de altura, mas poderá variar conforme cada um”, disse ela, que também ressalta a importância de escolher a cadeira adequada: “Cadeiras com alturas reguláveis (tanto de assento quanto de inclinação de encosto, altura de braço e encosto de cabeça) com apoio para braços e costas são necessárias, tendo em vista o tempo de utilização dos mesmos, a fim de reduzir possíveis problemas futuros de LER (Lesão por Esforço Repetitivo)”.

Se houver espaço, coloque uma poltrona ou um sofá mais confortável para momentos mais tranquilos de leitura ou como adicional para pequenas reuniões.

Em relação à instalação lógica e telefônica, é necessário prever a fiação, tomadas e os pontos próximos aos equipamentos para evitar que fios soltos fiquem pelo caminho ou mesmo aparentes nas paredes, dando aquele ar de “improviso” ou desleixo.

Decoração acertada

No que diz respeito à decoração do ambiente, a arquiteta Alessandra Isolani sugere móveis com linhas limpas e retas, com padrões lisos ou madeirados, em cores neutras, e apenas alguns objetos com cor, que deixam o ambiente agradável sem cansar em um curto prazo.

Além dessas dicas, a profissional ressaltou que a mesa deve ficar livre de muitos objetos, contendo apenas o material de trabalho. Os itens de decoração devem existir distribuídos pelo ambiente, mas em pouca quantidade para não tomar espaço útil, principalmente quando se trata de escritórios em áreas reduzidas.

Prateleiras e nichos nas paredes também devem ser utilizados, assim como os próprios livros e porta canetas na decoração. “Questões de conforto térmico, acústico, visual e de ergonomia são essenciais para o bom desempenho das atividades. Se você está confortável em seu ambiente de trabalho, certamente terá um rendimento maior”, finalizou a arquiteta.
Agora, que tal colocar em prática essas sugestões e organizar um ambiente de trabalho com a sua cara e com as suas necessidades específicas? Com base nessas informações e no seu gosto pessoal, o seu home office pode ficar ainda mais bonito, sustentável e moderno.

Fonte: UOL

Imóvel – Apartamento | Itararé,SV

Ref: AP0322

  •  Itararé/São Vicente
  •  Apartamento
  • 3 dormitórios
  • 1 banheiro
  • dependência de empregada com WC
  • 2 salas
  • área de serviço
  • piso em mármore
  • 176 m² de área construída
  • prédio com vista panorâmica
  • Aceita financiamento e propostas

VEJA MAIS:
Imóvel – Casa | Parque São Vicente, SV
Imóvel – Kitnet | José Menino, Santos
Imóvel – Sobrado | Voturúa, SV

 

14 dicas para manter seu guarda-roupa em ordem

Na hora de se vestir para o trabalho, academia ou balada, encontrar as roupas bagunçadas e misturadas nunca é uma boa surpresa. Além disso, a falta de organização com o guarda-roupa pode acabar afetando a durabilidade das peças, que ficam amassadas demais e sujeitas à umidade.

O ideal é organizar o armário no período de mudança de estação, em que os looks leves e pesados perdem ou ganham importância. O primeiro passo é se preparar para uma maratona de organização: em uma tarde livre, coloque sua playlist preferida no rádio e uma roupa confortável, pois o processo de arrumação deve levar algumas horas.

Em seguida, tire tudo do guarda-roupa, colocando sobre a cama. Aproveite que o espaço está vazio para limpá-lo com o auxílio de um pano úmido para tirar o pó. Só então comece a analisar o que vai voltar para o armário, de acordo com as dicas que a Myx Imóveis.

E se a preguiça bater, não desista: a organização vai ajudar você a compor looks melhores e aproveitar peças que ficaram esquecidas no meio da bagunça.

1# Classifique as peças

Depois de reunir todas as peças fora do guarda-roupa, separe-as em três grupos: aquelas que você usa apenas em situações específicas (como vestidos de festa e biquínis), outras que você não usa a mais de um ano e uma muda para as demais.

O primeiro grupo pode ser armazenado em malas e caixas especiais, que vão ocupar menos espaço no armário, mas estarão sempre prontas para serem usadas quando for necessário.

A segunda muda provavelmente deverá ser inteiramente descartada. Isso porque essas peças ou não servem mais ou caíram de moda. Deixe apenas aquelas que ainda estiverem em bom estado e que possam render looks com ar vintage.

Por fim, as roupas que sobraram são as que mais darão trabalho, pois precisam ser classificadas e devidamente organizadas.

2# Experimente as roupas

Para evitar que você armazene peças que provavelmente não vai usar, procure experimentar todas as roupas que foram separadas para voltar ao armário. Faça diferentes combinações, confira se as cores se encaixam conforme o esperado, se elas estão em perfeitas condições de uso e no tamanho adequado.

Nesse processo, é possível que você forme looks que até então nunca tinha imaginado ou então perceba que não adianta nada guardar aquela estampa que não combina com nenhum outro modelo.

3# Retire os excessos

Depois de analisar e experimentar as peças, provavelmente você já deverá ter percebido o que não vale a pena guardar. Nessa etapa, pratique o desapego, deixe o sentimentalismo de lado e abra espaço para coisas novas.

Separe todas as roupas que você não gosta mais, que estejam desgastadas e, principalmente, aquelas que deixaram de servir. Não guarde uma calça jeans esperando o dia de emagrecer – isso só ocupa o espaço de um modelo que lhe cairia bem e seria realmente usado no presente.

4# Aposte em consertos

Existem aquelas peças que possuem um caimento perfeito, mas foram deixadas de lado pela falta de um botão ou por um furinho estratégico. Nesse caso, aposte em consertos. Separe aquilo que pode ir para a alfaiataria ou para a tinturaria. Assim, em breve elas poderão fazer parte do seu guarda-roupa novamente.

5# Separe as peças pelo tipo

Cada tipo de roupa deve ser guardado com seus pares, ou seja: saias, calças, camisetas, casacos e vestidos devem ganhar espaços específicos no armário, para facilitar a procura na hora da produção. Assim, seu guarda-roupa ficará dividido em setores.

Vale ressaltar que em cada parte a preferência sempre será das peças básicas, que são usadas com maior frequência. Elas devem estar mais à vista, em um local em que seja mais fácil de retirá-la e depois, guardar novamente no mesmo espaço.

6# Classifique por cores e tamanhos

Depois de dividir as peças por tipos, é hora de classificar as roupas de acordo com seu tamanho e cor. Ou seja, saias longas vão anteceder as mais curtas e, no degradê de cores, é preciso sempre começar dos tons mais leves para os mais escuros (do branco ao preto, por exemplo).

Com essa ordem, seu armário provavelmente ficará parecido com as prateleiras de uma loja. Se ele ainda não estiver com um aspecto harmonioso, talvez seja preciso mudar algumas peças de lugar novamente.

7# Dobre corretamente

De nada adianta classificar as peças da forma adequada e dobrá-las de tamanhos diferentes, formando mudas tortas. Para evitar erros, aposte em um gabarito: pode ser um retângulo de papel mais firme (que deve ser comprado em papelarias), que será colocado logo abaixo da gola, bem no meio da camisa ou camiseta, que vai estar virada de costas. Com a “cola”, basta dobrar as mangas para dentro, assim como a parte inferior da roupa e retirar o molde.

É preciso considerar, no entanto, que cada modelo exige uma forma de armazenamento especial. As camisas sociais, por exemplo, devem ficar em cabides com o primeiro botão fechado para não amassar o colarinho. Já as calças esportivas devem ser penduradas com o cavalo virado para a parte de dentro do guarda-roupa.

As peças de lã podem ser enroladas em gavetas, para poupar espaço.

8# Um cabide para cada tipo de roupa

Uma maneira de ganhar espaço no armário é dispor os cabides na mesma direção, sempre com o gancho para dentro. Assim, fica mais fácil de tirar a peça depois de ela ser escolhida para o look do dia.

Porém, não basta escolher versões aleatórias para pendurar as roupas. As calças exigem modelos com pregadores e hastes curtas, assim como saias e bermudas. Já os casacos, blazers e jaquetas devem estar em cabides anatômicos com ombreiras.

Além disso, peças mais pesadas exigem formas de pendurar mais resistentes, como as feitas de madeira. Trajes feitos de tecido fino precisam, ainda, ser cobertos por uma capa protetora, que também ficará sobre o cabide.

9# Otimize o espaço

Com a chegada do inverno, não é preciso deixar os vestidos leves e calças frescas à vista. É possível poupar espaço com a ajuda de sacos de armazenamento a vácuo, vendidos em lojas especializadas em artigos para a casa.

Basta separar tudo aquilo que você tem certeza de que não será usado na próxima estação é colocá-lo nele. A área ocupada será 25% menor e as peças ainda vão estar livres dos efeitos da umidade.

Depois, é só repetir o procedimento quando os dias quentes voltarem.

10# Organize as peças menores

Calcinhas, sutiãs e meias também não podem ficar de fora da organização. Para deixá-los em ordem, você pode investir em colmeias e separadores de gavetas ou simplesmente dobrar da forma mais adequada.

No caso das calcinhas, dobre-as em forma de envelope e separe por cores e estampas. Se elas formarem conjuntos, coloque no meio do sutiã correspondente. No caso desse último, quando o modelo tiver bojo, ele deve ser guardado aberto, encaixado uns nos outros, para que o enchimento não fique enrugado.

As meias de algodão, lã e finas podem ser guardadas em um mesmo local. O segredo está em colocar as últimas em pequenos plásticos, para que não desfiem. As demais não devem ser enroladas como um casulo, pois o elástico pode ser danificado (prefira fazer dobraduras).

Se você não tiver gavetas disponíveis, uma alternativa é comprar caixas espaçosas e coloridas, que vão proteger os modelos com a mesma eficácia.

11# Proteja os sapatos

Se você não possui em seu armário um local específico para sapatos, procure deixá-los sempre na parte mais baixa do guarda-roupa. Eles podem ser armazenados em caixas com etiquetas, mas o ideal é que os calçados fiquem em sacos de TNT, depois de serem devidamente limpos após o uso.

Assim, eles não ficarão com cheiro de mofo e estarão prontos para o dia a dia sempre que for necessário. Algumas lojas já estão fornecendo o material mais adequado, mas é possível encontrar as embalagens em lojas especializadas.

12# Arrumando as bolsas

Para manter as suas bolsas bonitas e de uma forma fácil de serem visualizadas, separe uma prateleira específica do guarda-roupa para elas. Ao comprá-las, não jogue fora o enchimento, pois isso manterá a forma do acessório na hora de guardar.

Siga um padrão de tamanho e cores, assim como das peças de roupas, para facilitar a organização. Os sacos de TNT também são uma boa opção para as bolsas, pois evitam que elas fiquem sujas ou mofem.

13# Organize as roupas de cama

Não é recomendado que as roupas de cama fiquem no mesmo armário do quarto. Porém, se não há outra opção, a dica é manter apenas os lençóis e capas de travesseiros que são usados de fato.

Vale apostar na separação por cores, com dobras que aproveitem toda a área da prateleira.

14# Acessórios bem guardados

Quem não tem muito espaço sobrando para cintos, colares e outros complementos para o visual pode aproveitar algumas partes estratégicas do guarda-roupa para mantê-los organizados. A parte interna das portas é um exemplo: colocando suportes adequados, é possível pendurar cintos e colares nesse local, facilitando a visualização.

Para os brincos e pulseiras, vale apostar em caixas com separação especial, que podem ser encontradas em várias lojas de decoração.

Depois de organizar o armário, é só manter a disciplina para que ele permaneça em ordem. Sempre que pegar uma peça, coloque-a no mesmo lugar, com a dobradura correta e devidamente limpa. Assim, não tem erro.

Fonte: UOL

Imóvel – Apartamento | Centro, SV

Ref: AP0315

  •  Centro/ São Vicente
  •  Apartamento
  • 1 dormitório
  • 1 banheiro
  • sala
  • tv a cabo
  • área de serviço
  • piso cerâmica
  • Garagem coletiva
  • Aceita financiamento

Valor: R$ 165 mil

VEJA MAIS:
Imóvel – Apartamento| Itararé, SV
Imóvel – Apartamento | Centro, SV
Imóvel – Apartamento | Encruzilhada, Santos

Boas ideias para decorar

Rusticidade e sofisticação podem se unir para valorizar o lar. Com muita criatividade e materiais simples, caixotes de feira e paletes são transformados em irreverentes objetos de decoração. Confira as ideias a seguir que a Myx Imóveis separou para você e inspire-se!

Que tal fazer uma mesa de apoio com aquele caixote já sem utilidade? Com a cola de silicone acoplada em uma pistola, cole faixas de tecido na tonalidade pistache com estampa de arabescos em duas laterais do caixote; nas outras duas laterais, aplique tecido pistache liso. O resultado é renovador!
Um rústico palete de madeira pode ser transformado em uma sofisticada mesa de centro. Quem dá a dica é a Oficina da Pintura: com uma lixa nº 180, remova os fiapos de madeira, tendo também o cuidado em rebater os pregos existentes e tampar os buraquinhos com massa corrida. Deixe a peça bem lisa. Para pintar, aplique três demãos de tintas acetinadas Coralit nas cores verde-escura (6087), verde (1788F), verde-média (6070) e verde-clara (6032). O ideal é passar três demãos de cada tinta, sabendo que o intervalo entre uma e outra é de 6 horas. Finalize com o acabamento provençal: depois da peça estar bem seca, raspe a peça com a lixa nº 120, dando um efeito desgastado. Para dar um toque especial, coloque um vidro na medida exata do palete.
Acredite, é possível elaborar uma estante com oito caixotes de feira! O ateliê Quinta Reverência ensina: com a lixa nº 180, remova os fiapos e alise a madeira. Em seguida, com a tinta Coralit acetinada verde, pinte todas as peças. Deixe secar bem e, com a técnica de découpage, aplique algumas flores no fundo dos caixotes. Para uni-los, utilize quatro parafusos com rosca de 5 mm nas seis uniões formadas.

Fonte: Portal Decoração

Imóvel – Sobrado | Campo Grande, Santos

Ref: So0020

  • Campo Grande/Santos
  •  Sobrado
  • 2 dormitórios
  • 1 banheiro
  • sala 2 ambientes
  • lavabo
  • despensa
  • área de serviço
  • churrasqueira
  • piso em cerâmica e taco de madeira
  • quintal ao redor
  • armários embutidos e planejado na cozinha
  • 87 m² de área construída
  • Aceita financiamento

VEJA MAIS:
Imóvel – Apartamento | Centro, SV
Imóvel – Apartamento | Gonzaga, Santos
Imóvel – Apartamento | Campo Grande, Santos