Dica de Cinema – ESTREIA – Colegas

Colegas - cartaz

Aproveitem o dia, rapazes” – comanda o professor John Keating – “Façam de suas vidas algo extraordinário“. Cansado da vida previsível e regrada do instituto em que vive, Stallone vê nas palavras do professor de Sociedade dos Poetas Mortos e no carro do jardineiro – tão conversível quanto o de Thelma & Louise – a oportunidade de transformar sua vida, e a de seus dois colegas, em algo excepcional.

Seria mais uma aventura de estrada e referências, não fosse pelo fato do trio – Stallone (Ariel Goldenberg), Aninha (Rita Pokk) e Márcio (Breno Viola) – ser composto por jovens com síndrome de Down. É o diferencial, mas não o mote, do filme de Marcelo Galvão, que cria emColegas uma fábula universal sobre dificuldades e sonhos, sem nunca abordar diretamente o distúrbio genético dos seus protagonistas. A ideia não é levantar bandeiras, mas criar uma história lúdica para “mostrar que tudo é possível“, seja para os portadores de Down ou não.

Stallone, batizado em homenagem “ao maior ator de todos os tempos“, parte com seus amigos em busca de sonhos – coisas simples como ver o mar, casar ou voar. No caminho, acabam fazendo paradas estratégicas para, munidos de uma arma de brinquedo e inspirados pelo cinema, assaltar lojas de conveniência, o que acaba acrescentando perseguição policial à lista de gêneros do filme.

Ancorado pela experiência na publicidade, Galvão cria um universo estético que se encaixa na natureza fantástica do seu roteiro, escrito com Ricardo Barretto. Simetria e anacronismo (nos moldes de Wes Anderson) casam com o senso de humor da trama e as sutis referências cinematográficas – de Cães de Aluguel Blade Runner, passando por Jules e Jim e 8 ½.

Colegas falha apenas quando sente a necessidade de se explicar. A narração de Lima Duarte, que acompanha o filme do início ao fim, estraga diversos momentos que não precisavam ser esclarecidos. Seja quando insiste em entregar as intenções/motivações de seus personagens, apesar do bom trabalho de Goldenberg, Pokk e Viola, seja quando precisa explicar o porquê da ótima trilha sonora ser composta por canções de Raul Seixas.

Galvão cresceu ao lado de um tio com Down, consciente que, embora cheia de dificuldades, essa síndrome não significa tristeza.  Ao humanizar seus personagens, ao invés de santificá-los, entrega um filme muito mais sensível e eficaz do que qualquer campanha de conscientização.

 

Colegas

Brasil , 2012 – 103 min.

Aventura / Comédia

Direção:
Marcelo Galvão

Roteiro:
Marcelo Galvão, Ricardo Barretto

Elenco:
Ariel Goldenberg, Rita Pokk, Breno Viola, Lima Duarte, Leonardo Miggiorin, Deto Montenegro, Rui Unas

 

Fonte: Omelete/UOL

Apartamentos em Santos. Apartamentos para alugar ou vender. Myx Imóveis

 

Leia Também

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s